quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

Nº 23.489 - "O dia dos heróis virarem vilões por sua própria vaidade"

.

22/02/2018

O dia dos heróis virarem vilões por sua própria vaidade

Do Tijolaço · 22/02/2018


moradiastf

Por  FERNANDO BRITO

Segundo Daniela Lima, do Painel da Folha,  “cerca de 100 magistrados federais iniciaram movimento para convencer colegas a iniciar uma paralisação. O grupo ficou revoltado com o fato de a presidente do STF, Cármen Lúcia, ter marcado para 22 de março o julgamento que pode extinguir o auxílio-moradia.”

Ridículo.

Primeiro, porque não se pode fazer ideia em que uma “paralisação” dos juízes, já tão lentos quando “não vem ao caso” expor a “dureza” com que querem ser reconhecidos como os “moralizadores” e os ferrabrases.

Segundo, porque não haverá o que possa tornar palatável pela sociedade uma greve de servidores públicos que já recebem vencimentos que furam, duplicam e até triplicam, algumas vezes, o teto constitucional.

Mesmo o avantajado topete de Luiz Fux não será capaz de fazer com que a flagrante impropriedade de um “auxílio-moradia” distorcido ao ponto de virar “complemento salarial” e, ainda pior, ser “justificado” por magistrados, como Sérgio Moro, a este título.

Todos serão cancelados e, de cambulhada, lá se vão os mesmos penduricalhos para os procuradores, embora quanto a estes permaneça, ainda, a caixa-preta de diárias, pagas por meses e anos a fio, com designações para outros estados onde, todos sabem, já efetivamente residem.

Lambam os beiços, como dizia a minha avó, porque dificilmente serão obrigados a fazer o que se deve fazer com recebimentos indevidos: devolver.

Não é preciso ter as luzes jurídicas de “suas excelências” para saber que auxílio-moradia é para aquele que tem, em razão do serviço, de viver temporariamente fora de sua cidade, de seu estado.

Mas, talvez, a eles falte a compreensão que isso é o resultado da máquina de midiatização da Justiça que eles próprios puseram em marcha. E da grita contra os privilégios, sendo eles próprios privilegiados.

Cármen Lúcia, que não hesita em engavetar questões essenciais das garantias, como o absurdo da prisão antes do trânsito em julgado de condenações, não resiste à pressão criada pelos escândalos gerados justamente por dois dos “paladinos” judiciais: Marcelo Bretas, e eu “auxílio dose-dupla” e Sérgio Moro.

A mídia que tornou juízes heróis vai tripudiar no dia 22 de março, quando serão expostos, em sua própria casa, como vilões.

.


 .