quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Nº 20.962 - "De volta para o passado: Moraes até 2043"


22/02/2017

De volta para o passado: Moraes até 2043


Do Tijolaço - 22/02/2017

2043


Fernando Brito


Quando se fala no desastre que é colocar Alexandre de Moraes no Supremo Tribunal Federal, não se fala apenas no absurdo de que ele, em alguns meses, esteja julgando os seus amigos e companheiros de ministério acusados pelas delações da Odebrecht e por outras confissões do gênero.

O “clube amável” do Senado, onde pululam réus e acusados que o aprovaram também é passageiro, embora seja sempre bom lembrar que cada legislatura, já dizia Ulysses Guimarães, mesmo ruim, costuma ser melhor do que aquela que a sucede.

Fala-se, mais importante,  no impensável: um conservador, um policialesco, um retrógrado ocupando a cadeira até o inimaginável ano de 2043.

Sendo o juiz dos atos dos nossos filhos e dos nossos netos.

O mandato vitalício dos ministros do Supremo, algo já rejeitado nas cortes dos países desenvolvidos, nos quais a maioria os limita a nove anos, proibida a recondução, já era ruim.

Com a PEC da Bengala, que estendeu o exercício da magistratura até os 75 anos (por enquanto, não esqueça) ficou ainda pior, num país eminentemente jovem, mutante e num temporariamente abortado processo de modernização.

Claro que não se quer dizer que idade seja, necessariamente, sinônimo de pensamento retrógrado. Não, há muitos que aprendem com o tempo a compreender que valores são a expressão de um conteúdo, não de uma forma.

Mas são muito mais raros que os que se petrificam, os que o tempo lhe retira a bondade, a tolerância, a capacidade de aceitar as mudanças e ama-las como o que são: a caminhada do ser humano.

Os próximos anos de Alexandre de Moraes no Supremo podem ser e serão uma tragédia política e jurídica.

Mas Alexandre de Moraes no Supremo daqui a um quarto de século é uma tragédia civilizatória.

.