domingo, 26 de junho de 2016

Nº 19.724 - "Folha elimina Aécio. Quem sobra no PSDB?"

O parlamentar mineiro, no entanto, decidiu ser menos Tancredo Neves e mais Carlos Lacerda. Assumiu um discurso moralista e apostou no 'quanto pior, melhor', quando até as montanhas de Minas sabiam que esse não seria um caminho apropriado para seu sucesso na política.

Resultado: ainda que a presidente Dilma Rousseff tenha sido provisoriamente afastada do seu cargo, graças à aliança entre Aécio e Eduardo Cunha (PMDB-RJ), poucos políticos sofreram tantos danos nos últimos anos quanto o presidente nacional do PSDB.

Aécio já foi citado por diversos réus da Lava Jato como chefe de um mensalão em Furnas, por Delcídio Amaral como responsável por maquiar dados da CPI dos Correios (o que será confirmado por Marcos Valério) e agora será citado por Léo Pinheiro, da OAS, como cobrador de uma propina de 3% nas obras da Cidade Administrativa de Minas Gerais (leia aqui).

Léo Pinheiro diz ter provas e documentos para provar como os recursos ilícitos eram pagos, por meio de Oswaldo Borges da Costa, tesoureiro informal de Aécio e dono do avião utilizado pelo parlamentar.

Alckmin, Marconi e Serra

Com isso, o presidente nacional do PSDB fica praticamente excluído da próxima disputa presidencial, abrindo espaço para três nomes no PSDB: os governadores Geraldo Alckmin, de São Paulo, e Marconi Perillo, de Goiás, assim como o chanceler José Serra. Contra Alckmin, pesa o fato de ser o político mais rejeitado pela juventude brasileira, por seu perfil extremamente conservador. Contra Serra, há a sua associação com o governo ilegítimo de Michel Temer e também o fator da idade já avançada.

Aécio seria o candidato natural do PSDB. Mas depois de quase chegar ao poder em 2014, ele apostou no quanto pior, melhor', incentivou o golpe parlamentar contra a presidente Dilma e acabou se dando mal.

.