segunda-feira, 27 de junho de 2016

Nº 19.729 - "Pesquisa: Traíra é um desastre"

 

27/06/2016

Pesquisa: Traíra é um desastre

Quanto mais conhecido, pior!


Do Conversas Afiada - publicado 27/06/2016
.
 
bessinha bagaço
Saiu no DCM, com informações do Estadão:


Desaprovação de Temer sobe para 70%, diz nova pesquisa Ipsos


Da coluna de José Roberto Toledo no Estadão:

A desaprovação a Michel Temer é equivalente à de Dilma Rousseff, segundo pesquisa inédita do instituto Ipsos, divulgada aqui com exclusividade: 70% desaprovam a conduta do interino, contra 75% que desaprovam a da afastada. A desaprovação dele vem crescendo, e a dela, caindo. O pico negativo de Dilma no Ipsos foi em setembro: 90% de desaprovação. O histórico de Temer foi de 61% de desaprovação em fevereiro (quando ainda era apenas vice-presidente) para 67% em maio e 70% agora. A margem de erro é de três pontos porcentuais.

Há uma diferença entre a avaliação da pessoa de Temer e a de seu governo. Desde que assumiu a Presidência, o interino tornou-se mais famoso: a taxa dos que não opinavam sobre ele por desconhecê-lo caiu de 33% em fevereiro para 11% agora. Isso explica em parte por que sua desaprovação cresceu, assim como é o motivo de sua aprovação ter subido de 6% para 19% no mesmo período. Em relação ao governo, porém, aconteceu o contrário.

Desde que Dilma foi afastada, a taxa dos brasileiros que não sabem opinar sobre o governo pulou de 2% para 22%. Cresceu também a proporção daqueles que julgam a gestão do País como regular (foi de 21% para 29%). Já as avaliações positivas e negativas se moveram para baixo. A taxa de ótimo e bom oscilou de 9% para 6%, enquanto a de ruim e péssimo despencou de 69% para 43%. Pode-se interpretar essa queda como um voto de confiança no governo interino ou, mais provavelmente, como uma expectativa cautelosa até que ele mostre a que veio.

Quando Dilma e Temer tomaram posse, ela como presidente e ele como vice, o movimento da opinião pública já era crítico. Em janeiro de 2015, 42% avaliavam o governo como ruim ou péssimo, e 29%, como regular. São taxas praticamente iguais às de agora. A diferença é que, em 2015, 28% diziam ser um governo ótimo e bom, contra apenas 6% agora. A perda de aprovação aconteceu sob Dilma – com vales de 4% ótimo/bom – e Temer ainda não a recuperou.

A primeira pesquisa sobre a sua gestão mostra que o interino terá de fazer algo muito positivo para se diferenciar da antecessora. O principal objetivo de Temer e seu staff é a condenação de Dilma pelo Senado e o seu afastamento definitivo. Essa condição até pode ser necessária, mas a pesquisa do Ipsos mostra que dificilmente será suficiente – ao menos do ponto de vista da opinião pública.

A taxa dos que acreditam que o rumo do País está errado não diminuiu após a posse de Temer: oscilou de 88% para 89% entre maio e junho. Os que acham o contrário – que o Brasil está indo na direção certa – eram 7% em abril, chegaram a 12% em maio e agora estão em 11%. O tamanho da mudança de opinião diante de um evento tão dramático quanto a troca de presidente é quase marginal: um ganho de apenas quatro pontos porcentuais.
Em tempo: o chamado "mercado" também acha o Trambolho uma derrota.

Segundo a pesquisa Focus, com economistas de bancos, resumida na newsletter do Bradesco:

Mercado revisou suas expectativas para o IPCA e Selic

O mercado fez alguns ajustes em suas projeções, com destaque o IPCA e a taxa Selic, conforme apontado pelo Relatório Focus, com estimativas coletadas até o dia 24 de junho, divulgado há pouco pelo Banco Central. A mediana das expectativas para o IPCA subiu de 7,25% para 7,29% em 2016 e permaneceu em 5,50% em 2017. A mediana das projeções para a taxa Selic subiu de 13,00% para 13,25% no final de 2016 e recuou de 11,25% para 11,00% ao final do próximo ano. Já as estimativas para o PIB permaneceram iguais para 2016 e 2017, apontando uma queda de 3,44% e uma alta de 1,00%, respectivamente. Por fim, as estimativas para a taxa de câmbio também permaneceram em R$/US$ 3,60 no final deste ano e de R$/US$ 3,80 no final do ano que vem.
.