quinta-feira, 25 de maio de 2017

Nº 21.491 - "O próximo ato da tragédia, por Carlos Motta"


25/05/2017

O próximo ato da tragédia, por Carlos Motta




Jornal GGN - QUI, 25/05/2017 - 16:59  ATUALIZADO EM 25/05/2017 - 17:00




O próximo ato da tragédia, por Carlos Motta


por CARLOS MOTTA


E o golpe mostrou ao que veio.

Bastou apenas um ano para que as consequências trágicas da aventura corroessem a jovem e imatura democracia brasileira de tal maneira que reconstruí-la será uma tarefa não só demorada, mas extremamente difícil.
 ​
Isso porque os golpistas não feriram apenas a Constituição ao depor, sem que houvesse crime, uma presidenta eleita com 54 milhões de votos.

Eles conseguiram desempregar milhões de pessoas, arruinar importantes setores da economia, aprofundar a recessão, transformar a Justiça num instrumento de perseguição política, desmontar grande parte dos programas sociais que ajudaram a combater a miséria, esgarçar as relações institucionais, e expor o Brasil como uma imensa república de bananas para o mundo todo.

Os mais recentes escândalos revelaram apenas o que já era sabido: o golpe instalou no país uma cleptocracia.

Em sua luta desesperada pela sobrevivência, o presidente desta república de ladrões pode aprofundar ainda mais o desastre a que todos assistem.

Sua queda, porém, é questão de dias - como a história mostrou inúmeras vezes, o monstro parido pelos golpistas começa a devorar seus criadores.

A grande dúvida é sobre como será o próximo ato da tragédia, se ameno, conciliador, resultado de um amplo pacto de reconstrução nacional, ou uma mera continuidade deste lastimável prólogo, um texto absolutamente caótico.

Esse é o grande problema do Brasil, hoje e sempre - a falta de bons autores para a criação de um projeto que explore as suas imensas potencialidades e o leve ao século 21.

Os trabalhistas bem que tentaram encenar o seu roteiro social-democrata, com relativo êxito.

Mas, por ingenuidade ou incapacidade, deixaram que a peça fosse sabotada por vários de seus atores, temerosos de serem rebaixados para simples figurantes.

Agora, com o teatro em ruínas, são poucas as esperanças de que essa companhia rota e mambembe recupere, ao menos, a sua dignidade.

Para isso ela teria de ser dirigida por alguém que compreendesse a gravidade do momento e aceitasse como premissa para o seu trabalho o diálogo com todos os envolvidos no projeto - atores, produção e, principalmente, a plateia.

 .