domingo, 28 de maio de 2017

Nº 21.505 - "CACIQUES DA VELHA POLÍTICA TENTAM GARANTIR INDIRETAS"

.

28/05/2017


CACIQUES DA VELHA POLÍTICA TENTAM GARANTIR INDIRETAS


Brasil 247 28 DE MAIO DE 2017 ÀS 06:32


Geraldo Magela/Agência Senado

A possibilidade de o povo eleger diretamente quem quer ver no lugar de Michel Temer no Planalto não agrada a uma boa parte das lideranças partidárias brasileiras, que querem manter a decisão sobre a sucessão nas mãos do Congresso Nacional; com exceção da esquerda, que é minoritária, todas as principais lideranças partidárias se declararam contra as Diretas-Já; presidente interino do PSDB e um dos favoritos em caso de eleição indireta, Tasso Jereissati é abertamente contra as eleições diretas; presidente do PMDB, Romero Jucá também não quer ver o povo decidindo: "Diretas-Já só em 2018", reforça; caciques da velha guarda já perceberam que, em caso de eleições diretas, seu grupo político provavelmente seria enxotado da órbita do poder


247 - Uma boa parte dos caciques políticos do Brasil não quer perder a prerrogativa de escolher o próximo presidente da República. Eles agora se articulam para garantir eleições indiretas quando Michel Temer cair.

As informações são de reportagem de Ranier Bragon e Talita Fernandes na Folha de S.Paulo.

"A maioria do Congresso é contra mudar a Constituição para convocar eleições diretas caso  Michel Temer deixe o poder. Nessa eventualidade, deputados e senadores querem manter a exclusividade de escolher quem comandará o país até dezembro de 2018.

A Folha ouviu líderes dos dez maiores partidos da Câmara e do Senado, que reúnem 72 senadores (89% do total) e 397 deputados (77%).

Com exceção da esquerda, que é minoritária, todos se declararam abertamente contra as Diretas-Já.

Os oposicionistas PT, PSB e PDT não representam nem 30% das dez maiores bancadas. Para alterar a Constituição, é necessário o apoio de pelo menos 60% dos parlamentares em cada Casa.

'Neste momento acho casuísmo. [...] Não podemos ficar brincando de mudar a Constituição a cada crise, em função de um determinado caso, de um determinado momento', disse o senador Tasso Jereissati (CE), presidente interino do PSDB, partido que já definiu posição unificada contra às Diretas neste ano.

'Diretas-Já só em 2018', reforça Romero Jucá (RR), líder do governo no Senado e presidente do PMDB.

PSDB e PMDB são os maiores partidos da base de sustentação do governo.

(...)

Nos bastidores, governistas tem chamado a proposta de "PEC do Lula". O raciocínio é o de que, fora uma onda a favor de alguém que se apresente "de fora da política", o petista larga na frente. Apesar de ser réu em cinco ações penais, Lula lidera a corrida com 30% das intenções de voto segundo a última pesquisa do Datafolha."

.