quarta-feira, 1 de junho de 2016

Nº 19.530 - "Onde foram parar as pesquisas do Datafolha e do Ibope? Por Paulo Nogueira"

.

01/06/2016 

 

Onde foram parar as pesquisas do Datafolha e do Ibope? Por Paulo Nogueira



Desaparecidas




Paulo NogueiraOnde foram parar as pesquisas?

Na campanha movida contra Dilma pela imprensa, elas foram um elemento vital. Datafolha e Ibope produziam pesquisas em larga quantidade, e elas iam imediatamente dar nas manchetes de jornais, telejornais e o que mais for. Colunistas das grandes empresas jornalísticas — os chamados fâmulos dos patrões — se regozijavam em repercuti-las.

O público mais influenciado por Globo, Folha e congêneres — os analfabetos políticos ou midiotas — babava agarrado aos números.

E eis que elas sumiram.

Por uma razão: interessava à imprensa minar Dilma. E agora interessa proteger Temer.

Conheço de dentro o mundo dos Marinhos e dos Civitas. Suspender pesquisas é uma coisa que os patrões podem combinar com meia dúzia de telefonemas.

É um momento delicado para os golpistas enfrentarem os resultados certamente péssimos para Temer.

Senadores podem achar mais conveniente bater em retirada do golpe caso fique claro que os eleitores desprezam Temer e seu governo de corruptos.

Bastam apenas três votos para que o afastamento de Dilma seja revisto e Temer enxotado.

Os barões detestariam isso. Temer representa o livre acesso deles ao dinheiro público. Publicidade federal, financiamentos do BNDES, este tipo de coisa e outras mais.

Lembremos que Temer colocou Maria Sílvia na presidência do BNDES. No passado, cerca de dez anos atrás, ela foi contratada pela Globo para defender que o BNDES socorresse (sempre com recursos do contribuinte) as empresas de mídia, então quebradas.

Se Temer estivesse brilhando, estaríamos engolindo pesquisas sobre pesquisas na imprensa.

O silêncio agora diz o que a ausência de levantamentos esconde.

Nestes dias, a Folha escreveu num editorial que Gilmar Mendes deveria ao menos preservar as aparências.

Lindo isso. Há anos, Gilmar debocha da sociedade — e da civilização — ao se comportar como um torcedor de arquibancada na suprema corte sem que a Folha jamais falasse nada.

Mas agora ela pediu cuidado pelo menos com as aparências. Ela deveria olhar para o espelho e dizer o mesmo a si própria.

A supressão das pesquisas do Datafolha é apenas mais um sinal de que a Folha passou a fazer propaganda política conservadora nos últimos anos — e não jornalismo.

(Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui).
 
 Sobre o autor
 Paulo Nogueira. Jornalista, fundador e diretor editorial do site de notícias e análises Diário do Centro do Mundo.
 .