segunda-feira, 1 de maio de 2017

Nº 21.328 - "O pronunciamento de Temer no 1º de maio foi um insulto aos trabalhadores. Por Carlos Fernandes"


01/05/2017


O pronunciamento de Temer no 1º de maio foi um insulto aos trabalhadores. Por Carlos Fernandes


Diário do Centro do Mundo - 01/05/2017


 


Por Carlos Fernandes 

Não fosse o cinismo internacionalmente reconhecido de Michel Temer – esse moribundo político que ora arrasta-se pelos salões do Palácio do Planalto -, já seria o caso de começarmos a duvidar de sua sanidade mental.

Responsável pela maior crise política, econômica e social que este país já presenciou, acuado pela maior greve geral desde a redemocratização brasileira e reduzido ao político mais mal avaliado do Brasil, Temer perdeu de vez a noção de ridículo no seu pronunciamento de 1º de maio.

Num vídeo divulgado na internet, ao seu mais tradicional estilo covarde e medíocre, Temer conseguiu suprimir em pouco mais de dois minutos uma das mais grotescas peças de manipulação em massa que se tem notícia.

Como se desesperado com a mais nova pesquisa Datafolha que sepultou de vez qualquer esperança sobre a mais remota possibilidade de um dia ser visto pelos brasileiros como um líder respeitado a conduzir políticas austeras, o mordomo das causas infiéis pelejou inutilmente com a verdade.

Completamente descolado da realidade, o cidadão que conseguiu a façanha de unir o país em seu desfavor, fala em estarmos vivendo um “momento histórico” na geração de empregos e na “modernização dos direitos trabalhistas”.

Isso apenas 3 dias após o IBGE ter divulgado o seu mais novo recorde de desempregados no país. Contra todas as previsões do governo, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística nos mostrou que chegamos à obscena taxa de desemprego de 13,7%.

Um contingente de nada menos que 14,2 milhões de homens e mulheres, jovens e adultos que simplesmente não conseguem uma vaga no mercado de trabalho. Número, inclusive, maior que toda a população do Uruguai e Paraguai juntos.

Isso, por si só, já seria mais do que suficiente para entendermos a que presta o seu discurso, mas a patranha seguiu, desavergonhadamente.

Em determinado momento chegou à suprema hipocrisia de considerar benéfica às relações trabalhistas o fato de empresários e trabalhadores poderem negociar acordos coletivos diretamente entre eles sem qualquer intervenção dos sindicatos.

Temer, e o grande empresariado que o banca, sabem perfeitamente que a criminalização dos sindicatos é condição indispensável para a deterioração da já frágil harmonia entre os direitos e deveres que regem patrões e empregados.

Querer fazer crer que o empregado, sozinho, esteja em pé de igualdade com grandes empresas e corporações para negociar seus salários e direitos trabalhistas é, seguramente, uma das formas mais baixas e cruéis de ludibriar aqueles que representam o elo mais fraco da corrente.

Discursos dessa natureza nos alertam o quanto ainda precisamos lutar para  que nossos direitos, não só trabalhistas, sejam efetivamente preservados.

Nesse triste momento de nossa história, apenas dois lados são possíveis: o da defesa da legalidade, da justiça e da dignidade humana ou o da escravidão, do preconceito e da desigualdade.

Michel Temer, por tudo o que fez com a democracia, já demonstrou de que lado está.

( )

Carlos Fernandes. Economista com MBA na PUC-Rio, Carlos Fernandes trabalha na direção geral de uma das maiores instituições financeiras da América Latina.
.