domingo, 7 de maio de 2017

Nº 21.375 - "AO RESPONDER A LULA O MP CONTINUA FAZENDO, ÓBVIA E DESPUDORADAMENTE, POLÍTICA."

.
07/05/2017


AO RESPONDER A LULA O MP CONTINUA FAZENDO, ÓBVIA E DESPUDORADAMENTE, POLÍTICA.


Blog do Mauro Santayana - 7 de mai de 2017


Mauro Santayana


Homem que construiu sua trajetória com a retórica necessária a falar, desde os tempos de liderança sindical, a multidões, Lula voltou a fazer uso de seu particular estilo oratório em um encontro partidário em São Paulo, na presença de várias lideranças do PT e do ex-presidente uruguaio, Pepe Mujica.

Em um país em que - pelo menos por enquanto, existe - teoricamente -liberdade de expressão, e a mentira e a calúnia grassam impune e grosseiramente na internet, pelo menos desde 2013, engordando o crescente ódio e a hipocrisia nacionais, sem resposta à altura - nem política, nem jurídica - de seu  próprio partido e de sua militância - vide a ausência de defesa de Lula nas redes sociais contra os ataques que tem recebido com relação ao tema de que trata este artigo - o ex-presidente da República fez uso amplo de suas costumeiras expressões e trejeitos.

Chamou a atenção para a inexistência de provas cabíveis contra ele, e para a sucessão de tentativas de incriminá-lo, como forma de impedir que venha a se candidatar em 2018, e lembrou que poderia "mandar" prender quem o está acusando injustamente agora, no futuro, obviamente referindo-se à possibilidade que - também teoricamente - está assegurada por lei,  de caluniados processarem seus caluniadores.

A fala de Lula ocorre no mesmo momento em que, com maciça divulgação de certa parcela da mídia, pela enésima vez se apresenta mais uma acusação contra ele, desta vez feita por um gigante moral da estatura do ex-diretor da Petrobras, Renato Duque, na base do disse que me disse, de que se teria pedido 133 milhões de dólares para o PT em negociatas envolvendo a Sete Brasil.
Ora, não seria o caso de se perguntar - se Duque tinha essa informação - por que não a repassou antes, e preferiu ficar o tempo que passou na cadeia e aceitar ser condenado a 57 anos de prisão quando poderia ter feito essa denúncia logo que foi preso, e resolver de início o imbróglio político-jurídico em que está metido?

Por que - como ocorre costumeiramente com a Lava Jato - as provas que Duque diz possuir, não foram apresentadas no ato da própria denúncia desta semana - no âmbito do que se está chamando, ultimamente, no dicionário político, segundo novo termo cunhado por velha raposa paulista, de "extorsão premiada"?

Ainda que comprovada a denúncia, como assegurar que o nome do presidente da República não foi usado por quem pediu o dinheiro sem o seu consentimento?

Normalmente todo mundo sabe que em esquema de corrupção, quem pede a propina quase sempre fala que o pedido do dinheiro partiu de cima, normalmente de alguém a quem o corruptor não tem acesso diretamente, e que a primeira atitude de quem está fazendo a extorsão faz é exagerar o grau de intimidade com a "otoridade" que supostamente está pedindo o "favor", para reforçar e valorizar a chantagem.

Se Lula recebeu dezenas de milhões de dólares, e aconselhou o próprio Duque, em outra ocasião, a não abrir contas no exterior - como, convenientemente, para sua narrativa, diz o próprio Duque - onde estão os recursos de que fala o narrador da vez, a quem cabe estar em destaque, nesta semana, nos meios de comunicação?

Afinal, de que vale, para um suposto corrupto, se apropriar de uma quantia como essa se não vai ou não poderá gastar esse dinheiro?

Não parece estar claro, mais uma vez, que se tentará colar no ex-presidente a mal aplicada tese, no Brasil, da Teoria do Domínio do fato, para outra condenação sem provas, o que escancararia, no caso de um pré-candidato que está à frente na maioria das pesquisas para as eleições presidenciais do ano que vem, o descarado uso de "lawfare" pela justiça brasileira? 

É preciso lembrar que a Lava Jato costuma dizer que provas serão apresentadas em sequência para corroborar denúncias e   depoimentos, e que, em muitos casos depois se aparece - principalmente no caso de Lula - com mirabolantes apresentações em power-point e dois ou três tickets de pedágio.

Se Lula pegou dinheiro para si  mesmo, como fizeram outros acusados, como Eduardo Cunha e Sérgio Cabral, por que não adotou estilo de vida semelhante, viajando para Paris e Dubai,
hospedando-se em caríssimos hotéis, gastando centenas de dólares em garrafas de vinho, pagando exclusivas aulas de tênis para Dona Marisa Letícia, comprando ou "ganhando" para ela, anéis de centenas de milhares de reais, e está sendo acusado de ter tentado comprar um triplex e possuir indiretamente um sítio mambembe - para os padrões dessa turma - em Atibaia, cheio de puxadinhos, nos dois casos propriedades que ridicularizariam o ostentatório, perdulário e mafioso cotidiano de bandidos que, em muitos casos já estão, na prática, soltos, ou só têm suas penas comutadas depois que acusam e delatam justamente Lula?

Muitos podem dizer que, passando pelo delicado momento que está vivendo, o ex-presidente deveria medir melhor suas palavras, e evitar falar de improviso, o que não é, definitivamente, seu estilo.
Seus adversários podem até discordar de  suas posições, mas não podem negar que ele está fazendo o que se espera dele, considerando-se suas características pessoais e sua posição - vide novamente as pesquisas - de uma das principais lideranças políticas do país.

Assim como não se pode negar que, ao responder, por meio de um procurador, de forma pública, ao discurso feito por um dirigente partidário, pré-candidato à Presidência da República, falando em um encontro de seu partido, com a presença de convidados internacionais, o Ministério Público, ou a parte dele que está encarregada da Operação Lava Jato, prova o que até as pedras - portuguesas - dos calçadões litorâneos da orla da Zona Sul carioca e o resto do mundo, incluída a opinião pública internacional, já sabem: em certos casos, o que o MP brasileiro está fazendo nos últimos anos - contra o que determina a lei -  não é justiça.
.
É, obvia, despudorada e rigorosamente... política.

.