quinta-feira, 16 de junho de 2016

Nº 19.657 - "Machado enfrenta Temer e reafirma delação"

A nota desta quinta foi uma resposta ao pronunciamento feito por Temer pela manhã, no Palácio do Planalto. O presidente interino classificou de “irresponsável, leviana, mentirosa e criminosa” a delação de Machado.

“Quando se faz acordo de colaboração assume-se o compromisso de falar a verdade e não se pode omitir nenhum fato; falo aqui sob esse compromisso”, diz a nota divulgada pelo ex-presidente da Transpetro.
Ele reafirma que foi procurado, em 2012, pelo senador Valdir Raupp (PMDB-RO), que transmitiu a ele um apelo de Temer: colaborar com a campanha de Chalita, que enfrentava dificuldades financeiras.

O ex-presidente da Transpetro diz que, em setembro daquele ano, reuniu-se com Temer na Base Aérea de Brasília para tratar do assunto. Àquela altura, o peemedebista era vice-presidente.

“Na conversa, o vice-presidente Michel Temer solicitou doação para a campanha eleitoral de Chalita”, afirma Machado no comunicado.

“O vice-presidente e todos os políticos citados sabiam que a solicitação seria repassada a um fornecedor da Transpetro, através de minha influência direta. Não fosse isso, ele teria procurado diretamente a empresa doadora”, prossegue.

Machado diz que procurou a empresa Queiroz Galvão, que tinha contratos com a Transpetro, e que conseguiu uma doação de R$ 1,5 milhão, feita de forma oficial ao diretório nacional do PMDB, que repassou o dinheiro à campanha de Chalita. “A doação oficial pode ser facilmente comprovada por meio da prestação de contas da campanha do PMDB”, diz Machad

No texto, ele também afirma que nunca se encontrou com Chalita

ÍNTEGRA DA NOTA DE SÉRGIO MACHADO

Sobre o pronunciamento feito hoje pelo Presidente Interino Michel Temer, reafirmo que:

1) Quando se faz acordo de colaboração assume-se o compromisso de falar a verdade e não se pode omitir nenhum fato; falo aqui sob esse compromisso;

2) Em setembro 2012 fui procurado pelo senador Valdir Raupp (PMDB-RO), presidente em exercício do partido, com uma demanda do então vice-presidente da República, Michel Temer: um pedido de ajuda para o candidato do PMDB a prefeito de São Paulo, Gabriel Chalita, porque a campanha estava em dificuldades financeiras;

3) Naquele mesmo mês, estive na Base Aérea de Brasília com Michel Temer, que embarcava para São Paulo. Nos reunimos numa sala reservada;

4) Na conversa, o vice-presidente Michel Temer solicitou doação para a campanha eleitoral de Chalita;

5) O vice-presidente e todos os políticos citados sabiam que a solicitação seria repassada a um fornecedor da TRANSPETRO, através de minha influência direta. Não fosse isso, ele teria procurado diretamente a empresa doadora;

6) Após esta conversa mantive contato com a empresa Queiroz Galvão, que tinha contratos com a TRANSPETRO, e viabilizei uma doação de R$ 1,5 milhão feita ao diretório nacional do PMDB; o diretório repassou os recursos diretamente à campanha de Chalita. A doação oficial pode ser facilmente comprovada por meio da prestação de contas da campanha do PMDB;

7) É fato que nunca estive com Chalita;


Sérgio Machado

.