sexta-feira, 17 de junho de 2016

Nº 19.659 - "Henrique Alves, mais um defunto golpista! "

 

17/06/2016

 

Henrique Alves, mais um defunto golpista! 


Do Blog do Miro -sexta-feira, 17 de junho de 2016

 

Por Altamiro Borges
.
O "ministério de notáveis" do Judas Michel Temer, tão paparicado pela mídia golpista. é um desastre. Em pouco mais de um mês, três ministros já foram defenestrados - o que confirma que o "golpe dos corruptos" obrou um governo de bandidos. Nesta quinta-feira (16), Henrique Eduardo Alves, um dos "homens de confiança" do presidente interino, pediu demissão do Ministério do Turismo. Ele é mais uma das vítimas da delação premiada de Sérgio Machado, o ex-presidente da Transpetro que conhece todas as falcatruas do PMDB - o partido-ônibus que sempre foi governista.
Segundo o noticiário, o peemedebista potiguar oficializou a sua demissão em carta na qual afirma que faz "um gesto pessoal em prol do bem maior" - possivelmente o da salvação do covil golpista de Michel Temer, o Breve. Na prática, a queda de Henrique Alves já era dada como certa há vários dias. O político velhaco é figura carimbada em muitos casos de corrupção. A delação de Sérgio Machado só confirmou o seu histórico de maracutaias. Nela, o delator garante que repassou ao ministro R$ 1,5 milhão em propina dos esquemas da Petrobras entre 2008 e 2014. 

Michel Temer afunda na lama

Na denúncia já encaminhada ao Supremo Tribunal Federal, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirma que parte desta grana abasteceu a campanha de Henrique Alves ao governo potiguar em 2014, quando ele foi derrotado. A negociata teria envolvido diretamente o correntista suíço Eduardo Cunha - seu fiel aliado já afastado da presidência da Câmara Federal - e o ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro. O conluio beneficiou as empreiteiras no Congresso, tendo como contrapartida as doações ilegais. A PGR já solicitou a abertura de inquérito para investigar os três denunciados e a delação de Sérgio Machado acelerou o processo de decapitação do "homem-forte" de Michel Temer.

Na carta de despedida, o ex-ministro agradece ao Judas pela "lealdade, amizade e compromisso de uma longa vida partidária" e finaliza: "A sua, a minha, a nossa luta continuam". De fato, o calvário de Michel Temer deve prosseguir nos próximos dias e já há quem afirme que seu governo será dos mais breves da história. Em curto espaço de tempo, o "golpe dos corruptos" já foi desmascarado. Antes de Henrique Alves, outros dois "sinistros" viraram defuntos: Romero Jucá, do Planejamento, e Fabiano Silveira, da Transparência. Outros sete ministros estão na lista fúnebre da Lava-Jato. E a pergunta que aflige os assaltantes do Palácio do Planalto é quando os escândalos atingirão o próprio Michel Temer!
Palavras de desespero do golpista

No vídeo gravado pela PGR, no âmbito do acordo de delação premiada, Sérgio Machado já incluiu o nome do presidente interino - o que o torna ainda mais vulnerável. Ele afirmou que manteve reunião, em 2012, com Michel Temer em "uma salinha" ao lado da sala de embarque de autoridades da Base Aérea de Brasília. Na ocasião, o então vice-presidente falou de "dificuldade" na campanha do PMDB em São Paulo e solicitou ajuda. Segundo seu relato, o encontro durou de 15 a 20 minutos e rendeu frutos. O ex-presidente da Transpetro garantiu que repassou R$ 1,5 milhão de propina ao candidato da legenda à prefeitura da capital paulista, Gabriel Chalita.

A bombástica delação, que deverá ser acompanhada de provas - como o registro do aeroporto e os dados concretos da doação - desnorteou o assaltante do Palácio do Planalto. Em um pronunciamento sem direito a perguntas dos jornalistas, nesta quinta-feira (16), Michel Temer classificou as denúncias de Sérgio Machado de "mentirosas" e "criminosas" e concluiu de forma temerária: "Alguém que teria cometido aquele delito irresponsável que o cidadão Machado apontou não teria condições de presidir o país". A declaração desesperada pode ser um ato de sinceridade, fatal para seu governo usurpador!

*****

Leia também:

- Cai mais um ministro do golpe

- Sem descanso. Temer volta à linha de tiro

- As bombas de efeito retardado de Machado

- Tudo o que sólido desmancha no ar

- Tremem os Cunhas do governo e do Congresso
.