segunda-feira, 18 de julho de 2016

Nº 19.579 - "Mais seis senadores estão 'inclinados' a derrubar o impeachment, diz Randolfe"

 

18/07/2016

Mais seis senadores estão "inclinados" a derrubar o impeachment, diz Randolfe


Jornal GGN - Se o otimismo do senador Randolfe Rodrigues (PSOL) se transformar em votos favoráveis à derrubada do impeachment de Dilma Rousseff (PT), o retorno da presidente eleita está a um passo de se concretizar. De acordo com Randolfe, hoje há seis senadores "inclinados" a votar contra o afastamento definitivo de Dilma, fora os 21 que a petista já tem garantido. Ela precisa de 28 votos para se manter no poder. Randolfe disse que há um universo de nove indecisos para ser trabalhado.

Por Eduardo Miranda

Do Jornal do Brasil

Randolfe: Impeachment está perto de ser derrotado no Senado

Um dos maiores defensores de eleições presidenciais em outubro, antes mesmo que a presidente Dilma Rousseff fosse afastada temporariamente pelo Senado, o senador Randolfe Rodrigues (Psol-AP) afirmou, em conversa com o Jornal do Brasil, que o processo de impeachment é possivelmente reversível.

Para que o processo de impedimento de mandato seja aprovado em definitivo são necessários 54 votos (dois terços dos 81 senadores). Pelas contas de Randolfe, 30 senadores podem votar contra o impeachment, o que inviabilizaria a aprovação do processo, já que restariam 51 senadores.

"Somos 22 os que votaram contra o impeachment (na primeira etapa). Pelo menos 21 desses estão mantidos e votarão contra o impedimento de mandato. Estamos dialogando com um grupo de outros senadores do PDT, do PMDB, do PSD e do PSB. Nossa conversa é com nove senadores, incluindo aí Romário e Cristovam Buarque, e seis já estão inclinados a votar contra o processo", afirma Randolfe.

Segundo o parlamentar do Psol, a estratégia de convencimento dos nove senadores passa, porém, pela abdicação da Presidência da República por Dilma, com a proposta de eleições diretas. "Essa perspectiva poderia atrair os senadores desde que se pressionasse a opinião pública. Dilma precisa divulgar sua proposta publicamente e ela só faria sentido se fosse antes da votação do processo. Eu acho, sinceramente, que a chance é grande".

.