quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Nº 20.114 - " 'Prévia do PIB' cai quase 1% em agosto. É a 'retomada'! "

 

20/10/2016

 

“Prévia do PIB” cai quase 1% em agosto. É a “retomada”!

ibcbr


por Fernando Brito 

Já tive oportunidade de mostrar aqui que a redução em 0,25% da Taxa Selic  significava um nada, porque os juros reais permaneciam nos mesmos patamares.

E duvido tanto que a “baixa” da inflação ou a aprovação, em primeiro turno, do garroteamento dos gastos públicos tenham sido os motivos para a decisão, anunciada ontem à noite, de reduzir numa migalha a taxa de juros.

A razão, mesmo, foi divulgada hoje (e, é claro, já era ontem do conhecimento da direção do BC): a queda brutal na atividade econômica revelada pelo IBC-Br (Índice de Atividade Econômica do Banco Central), que é considerado uma espécie de “prévia” do PIB.

Caiu 0,91%.

Diz o Valor:

No ano, o IBC-Br, o indicador que tenta antecipar a tendência do desempenho do Produto Interno Bruto (PIB), aponta redução de 4,98% sem ajuste (sazonal) e queda de 5,42% com ajuste. Nos 12 meses encerrados em agosto, a retração foi de 5,48% – e queda de 5,6% no dado ajustado. Devido às revisões frequentes, os dados acumulados em 12 meses costumam ser mais estáveis que os mensais.

Em qualquer país economicamente civilizado, uma queda deste tamanho já teria levado os juros para próximo de zero – ou, claro, para perto da inflação, o que é zerar o juro real.

A economia precisa ser estimulada a sair deste poço.

Mas não existe nada de civilizado no rentismo brasileiro.

Tanto que, para ele, o corte essencial é na Educação, na Saúde, nos aposentados.

Morram as pessoas, viva o dinheiro!

.