domingo, 23 de outubro de 2016

Nº 20.132 - "Olha aí, Temer, a “retomada econômica” da Argentina"

 

23/10/2016  

 

Olha aí, Temer, a “retomada econômica” da Argentina

 

macri1


Por  

É o insuspeito O Globo quem publica, e, portanto, não fica na conta do chamado “bolivarianismo” da esquerda:
Quando o presidente argentino, Mauricio Macri, chegou ao poder, em dezembro do ano passado, economistas estimavam que os primeiros meses de gestão seriam difíceis, mas que a economia começaria a mostrar sinais de recuperação a partir do segundo semestre. Estavam enganados. Faltando pouco mais de dois meses para o fim de 2016, está claro para todos que os primeiros 12 meses de Macri como presidente deixarão um sabor amargo. De acordo com dados oficiais divulgados esta semana, nos últimos nove meses foram perdidos 118 mil postos de trabalho e fechadas cerca de seis mil empresas. Para completar um cenário sombrio, a inflação continua alta e deverá alcançar quase 40% este ano; a pobreza chegou a 32,2% da população (superando os 29% de dezembro de 2015) e o PIB argentino, de acordo com projeções de economistas ouvidos pelo GLOBO, caminha na direção de uma retração de até 2%.

Alguém duvida que com uma política econômica francamente recessiva, como adotamos aqui – seguindo o mesmo “planinho” de ajuste nas contas públicas vamos ter desempenho diferente dos nossos irmãos portenhos?

Na reportagem de Janaína  Figueiredo e Daiane Costa, dizem que “quando o presidente foi empossado (em dezembro), o consenso entre os economistas era de que a primeira metade do ano seria dura, mas o horizonte começaria a melhorar a partir de agosto. A projeção de queda do PIB era, em média, de 1,2%. Hoje, as empresas de consultoria locais estimam retração de até 2%.”

Não sei se o prezado leitor e a caríssima leitoa já ouviram esta conversa.

Mas é o que ouvimos aqui deste que o pré-Meirelles, Joaquim Levy, assumiu o comando da economia e o discurso dos cortes passou a ser o único vocabulário da economia.

Macri, porém foi eleito e tinha certa “gordura” de legitimidade para queira, e a queimou.

O nosso ’14 % de aprovação”, Michel Temer , não tem nem isso.

E Eduardo Cunha de fósforo em punho para queima-lo.

Tal como se narra no texto de O Globo, apostava-se no interesse do capital estrangeiro para alavancar investimentos, que só vieram pelo rentinsmo .

Aquela famosa história que nos une a argentinos.

Sermos eles, amanhã,como dizia aquela antiga propaganda de vodka.

.