sábado, 26 de novembro de 2016

Nº 20.388 - "Até a Veja incrimina o Cerra!"

 

26/11/2016

Até a Veja incrimina o Cerra!

R$23 milhões pagavam até o jatinho da campanha...

 
Conversa Afiada - publicado 26/11/2016
 
 
PSDB.jpg

Serginho, tamos chegando!

É só perguntar ao Ronaldo Cezar Coelho: isso póóóde, Moro?​

As provas irrefutáveis saíram no detrito sólido de maré baixa, que até agora o Moro levava tão a serio que ia a São Paulo para receber dela água de cheiro (quá, quá, quá!).

O dinheiro saía do departamento de propinas da empreiteira [Odebrecht] e ia para contas pessoais na Suíça de Ronaldo Cezar Coelho - banqueiro, ex-deputado federal e amigo de longa data do atual chanceler.

(...)

O esquema começou a funcionar em 2009, ano em que Serra passou a se movimentar dentro do PSDB para ser o candidato do partido à Presidência da República, disputando a indicação com o então governador de Minas Gerais, Aécio Neves.

(...)

Uma das faturas já pagas com dinheiro sujo da Odebrecht foi a de um Learjet 60 PR-MLR, usado na campanha de 2010 (...) Só nos três primeiros meses que antecederam a corrida eleitoral de 2010, o candidato Serra percorreu 33 trechos, totalizando 38 613 quilômetros, sempre bancado pela Odebrecht por baixo do pano.

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, também será alvo de acusações dos novos delatores da Odebrecht. Os depoimentos de executivos da empreiteira vão pôr fim a uma suspeita que já dura nove meses: eles dirão que Alckmin é, sim, o beneficiário do departamento de propinas que aparece nas planilhas de contabilidade da construtora sob o codinome de "santo" (...) Os depoimentos que implicam o nome de Alckmin são, até o momento, os mais cuidadosos prestados pelos delatores da Odebrecht.

(...)

A Polícia Federal identificou um registro que mencionava o pagamento a "santo" de 5% sobre o valor de contrato para obras na Rodovia Mogi-Dutra, em 2002, durante o governo Alckmin (...) Os investigadores encontraram, também, referência a pagamento a "santo" em obras da Linha 4 do Metrô.
 
.