sábado, 21 de janeiro de 2017

Nº 20.753 - "Moro e o marketing da morte"


21/01/2017

Moro e o marketing da morte


Do Tijolaço · 21/01/2017

POR FERNANDO BRITO

Indecoroso. Não há outra palavra para definir  o “discurso” de Sérgio Moro no velório de ministro Teori Zavascki.
Não foi uma visita final a alguém que está sendo velado. Nessas, o visitante contrito, é silencioso, respeitoso.
Também não é o discurso fúnebre, que faz que tem autoridade ou amizade com o morto a  quem se está dando as despedidas.
Também não foi uma entrevista, daquelas que se dá quando  abordado pela imprensa, em meio a uma floresta de microfones, ali meio no improviso.
Foi um espetáculo cínico de autopromoção.
Cínico porque  se sabe que Teori Zavascki desautorizou Moro e anulou suas abjetas gravações ilegais dos diálogos entre Dilma Rousseff e Lula, algo do qual Moro jamais  se desculpou, mesmo quando foi chamado por Teori a justificar-se.
Autopromoção,  porque chamou a si o papel de definir Teori como “herói nacional”, tudo aquilo que o falecido ministro recusava, em nome do papel correto de juiz sereno e discreto, mas que ele próprio, Sérgio Moro, anseia todo o tempo ser.
Decoro, Dr. Moro, é uma rima e seria uma solução, se nisso o senhor já não fosse um caso perdido.
.