segunda-feira, 10 de abril de 2017

Nº 21.190 - "Temer: falso e falido"


10/04/2017

Temer: falso e falido
Dias se pergunta: e os tucanos, onde estão?


Conversa Afiada - publicado 10/04/2017

Ruptos.jpg
Conversa Afiada reproduz da Carta Capital o artigo de abertura de ​Mauricio Dias​, na imperdível "Rosa dos Ventos"​:

Temer: falso e falido


Maurício Dias

Mauricio DiasPesquisas recentes, de âmbitos nacional e estadual, comprovam a falência do governo Michel Temer, tendo como referência o topo da pirâmide social. Explica-se. Ele, como nunca teve votos, agarrou-se aos manifestantes das passeatas dominicais, muitos deles instigados tanto pelo ódio quanto pelo preconceito. Contra Dilma, sempre.

A manobra ganhou um fim televisionado da administração petista. A ilusão criada pelo sucesso do golpe, no entanto, durou pouco.

Sondagens, como a recém-divulgada pelo Ibope, encomendada pela Confederação Nacional da Indústria, mostram o afastamento gradativo desses ex-aliados de Temer espalhados pelos quatro cantos do Brasil.

Nas pesquisas, há duas comprovações visíveis quanto a isso. A apuração do Ibope, de junho de 2016 a março de 2017, desenha a trajetória ladeira abaixo a partir do período da posse oficial de Temer na Presidência até os dias de hoje (gráfico). Ele vem perdendo, paulatinamente, o pouco que tinha.

Perdeu 11 pontos na “aprovação do governo”; perdeu 10 pontos na “maneira de governar”, e na aprovação de “ótimo e bom” perdeu 3 pontos. Caiu de 13% para 10%, aproximando-se muito dos 9 pontos de Dilma quando o golpe foi consumado.

O tratamento dado à presidenta naquele momento é desigual ao que é dado a um e outro pela mídia, a qual proteje Temer até hoje.


Os eleitores desgarrados de Temer formam boa parte da classe média brasileira identificada, em geral, pelo poder aquisitivo e o grau de instrução. É cidadão do topo da pirâmide com grau de instrução “Médio” ou “Superior” e com boa “Renda Familiar” (tabela).

A pesquisa CNI/Ibope chega a ser desconcertante. A maioria foge de Temer como o diabo foge da cruz.

Esse grupo não determina a eleição. É pequeno diante de 120 milhões de cidadãos que formam o eleitorado total. Entretanto, por razões diversas, tem força para abalar os eleitos. O acesso aos meios de comunicação facilita.

Um levantamento do Instituto de Pesquisa Maurício de Nassau, de Pernambuco, publicada quase simultaneamente com o Ibope, mostra uma situação arrasadora para Temer, o governo dele e a oposição. Os pernambucanos, com cursos médio e superior, desaprovam o governo Temer com 93% e 94% respectivamente.

Um dos compromissos fundamentais de Michel Temer com a cúpula dos tucanos é o de fazer o Brasil voltar aos trilhos do desenvolvimento para que, em 2018, um dos candidatos do PSDB tenha chances de vitória com Lula ou sem Lula, na disputa, ao se apresentar como o salvador do País.

Até agora, no entanto, quase tudo deu errado. Os tucanos já não têm mais candidatos. O que fazer? Prender Lula?