domingo, 30 de julho de 2017

Nº 21.974 - "Moro volta ao local do crime do grampo"

.
30/07/2017


Moro volta ao local do crime do grampo

Globo vai lançar a chapa Bolsonaro-Moro!
  


Do Conversa Afiada - publicado 30/07/2017


Sem Título-3.jpg
De uma entrevista do Imparcial Moro de Curitiba, no púlpito da Fel-lha:
Folha - Sobre as escutas que envolveram os ex-presidentes Lula e Dilma, o sr. escreveu que o conteúdo revelava tentativas de obstruir investigações. É possível entender que a medida de tornar público esse conteúdo tinha como objetivo proteger a Lava Jato?
A escolha adotada desde o início desse processo era tornar tudo público (para o PiG! - PHA), desde que isso não fosse prejudicial às investigações (quá, quá, quá! - PHA). O que aconteceu nesse caso [dos grampos de Dilma e Lula] não foi nada diferente dos demais. As pessoas tinham direito (sic) de saber a respeito do conteúdo daqueles diálogos. E por isso que foi tomada a decisão do levantamento do sigilo.
Um efeito indireto ao dar publicidade para esses casos foi proteger (quá, quá, quá!) as investigações contra interferências indevidas (quem ia interferir indevidamente? O Ministro Gilmar? O Rola-bosta?) . Afinal de contas, são processos que envolvem pessoas poderosas, política e economicamente (e daí? Quer dizer que rico não tem direito à Justiça de Curitiba? Me engana que eu gosto... - PHA). Na prática, pode haver tentativas. Então, tornar tudo público também acaba funcionando como uma espécie de proteção contra qualquer obstrução à Justiça (INACREDITÁVEL! - PHA). E isso é muito importante.
Foi seguida (sic) a Constituição. Dentro de uma democracia liberal (qual democracia? Uma em que ele é o ÚNICO juiz do Brasil Liberal? - PHA)como a nossa, é obrigatório (OBRIGATÓRIO? - PHA) que essas coisas (sic)sejam trazidas à luz do dia.

NAVALHA


Conversa Afiada já fez a cronologia desse crime de lesa-pátria, a partir, inclusive, de observações agudas da entrevista de Cristiano Zanin, valente de Lula à TV Afiada.
1) o Imparcial Moro grampeou uma Presidenta da República em exercício e um ex-presidente da República FORA, ALÉM do prazo legal;
2) O Ministro Teori do Supremo o recriminou - e não fez mais do que isso... - por esse gesto que perfura a Segurança Nacional - além de ser ILEGAL.
3) Em tempo record, com a ajuda, seguramente, da CIA e/ou da NSA, entregou o grampo à Globo Overseas e, não, à TV Afiada ou ao programa do Porchat!
Mas, à Globo!!!
Nos Estados Unidos, que inspira as operações de genuflexão do Imparcial Moro, o Imparcial Moro estaria sentado na cadeira elétrica à espera de a tomada ser ligada: um juizeco de primeira instância grampear uma Presidenta da República, no exercício da Presidência, SEM autorização legal!
Só aqui, nessa República Federativa da Cloaca.
Mas, aqui, ele pode tudo.
Ele pode até eleger o Bolsonaro!
Taí, breve o Ataulpho Merval poderia levar a Globo a lançar a chapa: Bolsonaro-Moro!
PHA