quarta-feira, 6 de julho de 2016

Nº 19.799 - "Rombo de R$ 160 bi em 2017 será obra de Temer, não de Dilma"

.
06/07/2016
 

Rombo de R$ 160 bi em 2017 será obra de Temer, não de Dilma

 

Brasil 247  - 5 de Julho de 2016

.

:

Tereza Cruvinel
O governo interino só vai anunciar na quinta-feira, 7, a meta fiscal para 2017,  mas a equipe econômica chefiada por Henrique Meirelles já perdeu a disputa com o núcleo político palaciano liderado por Eliseu Padilha e Geddel Vieira Lima.  Temer deve bater o martelo sobre a previsão de um déficit de R$ 160 bilhões, contra a defesa de algo entre R$ 140 bi e R$ 150 bi da área econômica, que na semana passada falava apenas em déficit “superior a R$ 100 bilhões”. A decisão será um claro reflexo da contradição entre o discurso de austeridade que angariou apoio dos mercados à posse de Temer e a natureza fisiológica da base política que perpetrou o golpe contra Dilma. Para atender seu apetite, preservar a maioria parlamentar e consumar o golpe,  o governo optará  por uma meta “mais folgada” e  começará a sacrificar a credibilidade de Meirelles. 

Até quinta-feira, as críticas dos fiscalistas da mídia e do mercado podem, é claro, produzir alterações desta tendência mas nesta quarta-feira ela parecia cristalizada, especialmente pela defesa enfática que Padilha fez do déficit de R$ 160 milhões em mensagem pelo Twitter.  A hegemonia da área política já havia se manifestado quando do aumento da previsão do rombo para este ano, dos R$ 96 milhões projetados pela equipe de Dilma para os R$ 170,5 bilhões adotados por Temer.  A dilatação permitiu uma “folga” para as liberalidades recentes no gasto,  as bondades em busca de boa vontade para a consumação do impeachment em agosto: indulgência para governadores endividados, aumentos para o judiciário, transferência a fundo perdido para o Rio gastar com as Olimpíadas, entre outras.

Uma vez fixada na LDO esta estimativa de déficit para 2017, o governo adia para o ano que vem o grande esforço prometido para equilibrar as contas públicas, seja aprovando o alardeado teto para o gasto público e reformas impopulares como a previdenciária, seja buscando mais receitas através de aumento ou criação de impostos com os quais não deseja se comprometer este ano, e muito menos antes de Temer ser efetivado.

As consequências, entretanto, não poderão ser adiadas. Entre elas, a manutenção dos juros em patamares elevados, especialmente os juros ao consumidor, o que não contribui para aquecer a economia. Com juros altos, o consumir compra menos, os fabricantes se retraem e investem menos, e  os empregos deixam de ser criados.

Ou seja, por ora a prioridade continua sendo conservar o poder capturado. A arrumação,  de fato,  da economia, vai ficando em segundo plano, e enquanto isso os mais pobres e os desprotegidos vão pagando a conta do pirueta política que o país deu com o afastamento da presidente eleita e a entronização de uma agenda que não passou pelas urnas.

Depois de consolidado o poder capturado, “em algum momento”, como disse Temer, virão as medidas amargas: reformas que afetam direitos e conquistas, privatizações, concessões, mudança na regra de partilha do pré-sal e a piora brutal do serviços públicos com o teto para o gasto público limitado, por 20 anos, à correção pela inflação. Para levar a cabo esta agenda ultra-neo-liberal, Meirelles tem que preservar a imagem de guardião da austeridade. Mas ela sai arranhada com a projeção de um rombo de R$ 160 bilhões para o ano que vem. E nem haverá a desculpa de que ele foi herança de Dilma. 

 Tereza Cruvinel.  Colunista do 247, Tereza Cruvinel é uma das mais respeitadas jornalistas políticas do País
.