terça-feira, 4 de outubro de 2016

Nº 20.088 - "PF evita novos acordos no momento em que Odebrecht ameaça delatar Temer "

A versão oficial é de que os dois anos e sete meses de operação já renderam material suficiente para as investigações. Além disso, membros da PF alegam que novos acordos de delação aumentariam a sensação de impunidade da população.

Conforme reportagem da Folha de S.Paulo, em conversas reservadas, "pessoas ligadas a Odebrecht afirmam que a posição da PF contra delação premiada teria relação com algum movimento do governo de Michel Temer, já que integrantes da cúpula do PMDB, incluindo o presidente, são mencionados no acordo com a empreiteira. A PF, porém, nega qualquer diálogo ou influência do governo".

"A opinião da PF sobre o tema acirra a divergência da instituição com a Procuradoria-Geral da República.

A relação entre os dois lados, que nunca foi de proximidade, tornou-se mais distante após a assinatura da delação premiada do ex-diretor da área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró em novembro do ano passado.

A polícia no Paraná soube pela imprensa, por exemplo, que o ex-senador Delcídio do Amaral (ex-PT-MS) havia sido preso, naquele mesmo mês, por propor um plano de fuga para Cerveró."



.