sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Nº 20.103 - "A Lava Jato é a operação multiuso da direita brasileira"


 .

07/10/2016 

 

A Lava Jato é a operação multiuso da direita brasileira

 

Do Cafezinho


vitor-teixeira-power-point-lula-mpf-lava-jato
(Charge: Vitor Teixeira)

Por Pedro Breier, correspondente policial do Cafezinho

A Lava Jato é multiuso.

Primeiramente ela foi usada pela direita, através do seu grande comandante, o oligopólio midiático nacional, para uma tentativa de interferência no processo eleitoral de 2014.

Seus vazamentos seletivos saíam diretamente da mão dos heróis da República de Curitiba para a mídia amiga, que os utilizava para atingir o PT e tentar evitar que o partido ganhasse a quarta eleição presidencial seguida.

Quase deu certo: Haddad afirmou em uma entrevista que após a capa da Veja no fim de semana nas eleições, distribuída como um panfleto nas ruas (só a capa mesmo, não se precisa de muito para manipular quem acredita na Veja), as intenções de voto em Dilma despencaram em São Paulo, o que fez com que o resultado das eleições fosse bastante apertado.

Após mais uma derrota eleitoral, a mídia de direita passou a usar os vazamentos da Lava Jato para criar um clima favorável ao impeachment na opinião pública.

Dessa vez deu certo: os protestos turbinados pela revolta da classe média/alta com os escândalos diários do partido mais corrupto da história foram essenciais para o golpe, pois deram o discurso aos golpistas de que “o povo queria o impeachment”.

Antes das últimas eleições municipais, mais uma rodada de prisões de petistas para que a grande mídia desse as manchetes certas para não permitir qualquer tipo de reação do PT nas urnas.

Também deu certo.

Passadas as eleições, a Lava Jato cumpre dois papéis essenciais na estratégia política da direita. 

O mais evidente é tirar Lula das próximas eleições, prendendo-o ou ao menos tornando-o inelegível. 

O outro papel é mais discreto mas também tem grande importância.

A Lava Jato serve para hipnotizar o público e afastá-lo das questões que realmente importam.

Nos últimos dias foram aprovados na Câmara dois projetos que trarão consequências drásticas para os brasileiros nas próximas décadas: o que retira a obrigatoriedade da Petrobras de explorar ao menos 30% dos poços de petróleo do pré-sal, facilitando as coisas para as grandes petrolíferas estrangeiras - é a promessa de José Serra à Chevron, conforme vazamento do Wikileaks, sendo cumprida - e o que limita os gastos públicos por 20 anos.

É óbvio que estes projetos são a grande pauta política do momento, mas dê uma olhada nos portais do cartel midiático: as reportagens sobre eles estão sumidas ou discretamente escondidas.

As manchetes vão para o indiciamento de Lula e seu sobrinho por obras em Angola, para a delação da Odebrecht, etc.

Cada desdobramento da Lava Jato é explorado nos mínimos detalhes, enquanto projetos que vão alterar a vida das pessoas por muito tempo são escondidos.

O noticiário político e o policial são a mesma coisa para o público da grande mídia. O resto não importa muito.

É claro: discutir projetos abertamente e com profundidade não interessa à direita brasileira, que é entreguista e anti-povo. E a população não pode perceber isso de jeito nenhum.

.