quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Nº 20.267 - "Ruffato e Temer: o escritor e o golpista. Por Jari da Rocha."

 

10/11/2016

 

Ruffato e Temer: o escritor e o golpista. Por Jari da Rocha.

 

rufatto
“A educação como privilégio de classe”, título da crônica de Luiz Ruffato no El País, sintetiza o processo de desmonte do estado brasileiro, em pleno andamento, promovido pelo governo ilegítimo de Michel Temer.

Ruffato diz , num trecho do artigo que vale ser lido na íntegra, depois de analisar as “cotas dentro das cotas”, mostrando o quanto se resiste a ampliá-las nos cursos que a elite reivindica para si ( engenharia e medicina), que mesmo o limitado progresso que se alcançou está em risco.

As universidades públicas brasileiras sempre foram espaço reservado para formação da nossa elite econômica, que também o é intelectual e politicamente. O panorama mudou um pouco com os sistemas de inclusão social – cotas para alunos oriundos de escolas públicas (em geral pobres) e para negros, pardos e indígenas. Mudou um pouco, repito, porque a grande massa de jovens pobres – seja de que etnia for – ainda tem que pagar para estudar em escolas privadas, em geral de péssima qualidade. Mas o que o governo Temer pretende com a PEC 241 é dificultar ainda mais o acesso ao ensino superior, realizando o desejo da nossa sociedade, que, como afirmou o ex-secretário da Segurança Pública do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, defende a manutenção da pobreza para que continuem existindo cozinheiras, faxineiras, lavadeiras – ou, em outras palavras, para que subsista um exército de mão de obra disponível para o usufruto da casa grande.

Ruffato sabe do que e de quem está falando.

Em outubro de 2013, durante a abertura da Feira do Livro de Frankfurt, o escritor, em seu discurso, desnudou o Brasil desde sua descoberta.

Reconheceu os avanços destacando os 42 milhões de brasileiros que haviam saído da pobreza extrema, através do Programa Bolsa Família e, também, o sistema de cotas nas universidades.

Mas não deixou passar em branco a desigualdade social, os níveis de analfabetismo, o retrato das prisões brasileiras e, por fim, as condições precárias de vida da população pobre, principalmente negros, pardos, índios e a população LGBT.

O discurso de Ruffato, que ia na contramão do discurso do, então, vice-presidente Michel Temer, foi considerado polêmico e deixou desconcertado o vice-decorativo e a ministra da Cultura, Martha Suplicy, que não aplaudiu (veja no final do vídeo)
.
Temer tentou salvar a pátria e num improviso sofrível em que se disse poeta, enalteceu, antes de mais nada a si próprio, mas também a Constituição cidadã, a democracia, o estado de direito e os avanços do governo, sem mencionar Lula ou Dilma.

Reclamar-se poeta foi uma surpresa para os escritores que estavam presentes e que o conheciam como um insípido e prosaico agente do continuísmo político.

Para Zé Miguel Wisnik, que escreveu na época, o discurso de Temer era: “uma contracenação inédita e ao vivo do desrecalque corrosivo sobre a nação com o provincianismo proverbial de um representante do poder (tendo ao fundo os protestos de Ziraldo).”

De outubro de 2013 para cá todos nós sabemos o que aconteceu.

As críticas do discurso de Luiz Ruffato, mais que um registro, um alerta do que ainda era urgente se ater e combater, torna-se, ironicamente e pelas mãos do seu sucessor na tribuna de Frankfurt, o principal projeto do governo golpista.

É como se o conteúdo da fala de Ruffato fosse usado como objetivo final para a perversa ‘construção’ da proposta de emenda constitucional do fim do mundo.

Ruffato e Temer.

Um é escritor e responde a sua própria pergunta feita no início de seu discurso em 2013: “O que significa ser escritor num país situado na periferia do mundo?”

O outro, que se diz poeta e só rima bajulação com ambição e traição,  é apenas um golpista.

.