terça-feira, 15 de novembro de 2016

Nº 20.314 - "Agora que jornalismo virou fofoca e propaganda, libera geral, Cantanhêde!"

  

15/11/2016

 

Agora que jornalismo virou fofoca e propaganda, libera geral, Cantanhêde!

 

canta


Por

A insossa entrevista de Michel Temer está perdendo feio para a repercussão do vídeo do âncora da TV Cultura William Novaes que recebe  dele os agradecimentos “por essa propaganda”, talvez o único momento de sinceridade do ocupante na presidência naquela ocasião.

Mas quem rouba a cena na patacoada que o tal cidadão promove é Eliane Cantanhêde, a musa da “massa cheirosa”.

Num momento digno de “Mexericos da Candinha”, ela “confidencia”, para o Brasil e o mundo, “baixinho, de fininho, que ninguém nos ouça: de romance o presidente entende”…

É mesmo, Lili?

Começou, vá em frente, jornalista destemida!

Porque senão a gente fica pensando que pode ter aparecido também por aqui alguma   Monica Levinski e não fica bem para um presidente que é recatado e do lar, como sua jovem esposa.

Ou será que ele ainda anda escrevendo barbaridades como aquele tal “Intimidade Anônima” e cometendo pleonasmos feito as “labaredas de fogo” (haveria as de água?) em que “incêndios tomam contam de mim”?

Conta, Cantanhêde, porque até agora o único amor duradouro que se conhecia dele era ao poder, que ele namorava de soslaio, com olhar cúpido e lábios sedentos, disposto, como se viu, a raptá-lo rocambolescamente…

Os outros, foram fugazes e interesseiros : do último deles, Eduardo Cunha, só quis a herança suntuosa do Palácio e o pobre abandonado, agora, vive a amargura da sarjeta gradeada de Curitiba.


PS. Deus meu, a decadência do medalhões da grande imprensa brasileira é constrangedora. Melhor levar na ironia, senão a gente abandona a profissão.

.