segunda-feira, 3 de julho de 2017

Nº 21.723 - "A sentença de Lula: quem respira aliviado?"

.

03/07/2017

A sentença de Lula: quem respira aliviado?


Do Tijolaço · 03/07/2017

respaliv

Por Fernando Brito 

Não se sabe se com crua  ironia ou grande desejo, Ricardo Noblat escreve hoje, em sua coluna em O Globo que “espera-se que o Juiz Sérgio Moro condene Lula, esta semana e “então o país poderá respirar aliviado”.

Afinal, isso aproxima do final o ciclo maldito em que se mergulhou o Brasil, destruindo o país para alcançar a figura política que mais o elevou, nas últimas décadas.

É preciso que se encontre uma fórmula que nos faça voltar a ser uma massa humana amorfa, sem vontade, sem sonhos, apenas com olhos para o “inimigo interno” que já não são os perigosos comunistas, mas os corruptos, que – espécie recente, não existente antes – nos levaram a esta ruína econômica.

Tudo facilitado pela ampliação de uma classe média alienada como nunca da identidade nacional, que aprecia agora, como símbolos de realização, os SUV, a viagens a Miami para compras e o novo aplicativo de celular.

Será, também, um triunfo – que se espera temporário – de uma camada que ascendeu à nobreza “republicana”, no Ministério Público e no Judiciário, onde a manipulação da lei e dos processos judiciais lhes dão uma espécie de “super-voto”, com o qual destituem ou destroem os que possuem o voto popular.

Os “salvadores da pátria” a atiraram a esta vergonha que vivemos, com as “instituições funcionando” para produzir decisões seletivas, nojentas, deprimentes.

Sim, Noblat, o Brasil de sempre pode – por algum tempo – “respirar aliviado” com a condenação de Lula.

O outro Brasil, o Brasil do povo, o Brasil que quer ser uma nação do tamanho que merece, o Brasil que quer crescer e se tornar mais justo, mais feliz, sem a vergonha do desemprego, da fome, do atraso, este não fica aliviado, fica com a respiração suspensa.

Não é Lula quem arde na fogueira desta nova Inquisição. É o Brasil real, atirado ao lixo.
.