quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Nº 22.103 - "Temer, Maia, Cármem. Os três pequenos poderes do grande país que encolheu"


.
16/08/2017

Temer, Maia, Cármem. Os três pequenos poderes do grande país que encolheu


Do Tijolaço  - 16/08/2017

pequenos


POR FERNANDO BRITO


Do primeiro, é até pleonasmo falar de sua pequenez. Tudo o que se pode dizer é que tem é esperteza entre a corja.

De Rodrigo Maia, em tese presidente da Casa que representa a vontade popular, é alguém que não se envergonha de encher as bochechas e dizer que a agenda do parlamento deve ser a “do mercado”.

Não perde vaza em defender mais arrocho, mais cortes, mais retirada de direitos.

Cármem Lúcia, de quem se podia ainda fazer o elogio da nulidade e das falas juridicamente opacas, perdeu a modéstia e danou a fazer frases de algum efeito e nenhum sentido, como aquela dos “bons terem a ousadia dos canalhas” e esta agora do “eu não quero mudar do Brasil, quero mudar o Brasil”.

É no mínimo ridículo que a presidente (presidente, para não fazer a grosseria gratuita que fez a Dilma Rousseff) de um Tribunal Constitucional diga que quer “mudar o Brasil”, porque papel da instituição que preside é justamente o de guardar e preservar a constituição e seus princípios.

No entanto, a D. Cármem prestou-se ao papel de assegurar ao superjuiz Sérgio Moro, ontem, que tudo fará para que a ex-mais alta corte do País – antes que a República tivesse transferido sua capital para Curitiba, que manterá a prisão em segunda instância, desprezando a secular tradição jurídica de só sedimentar a culpa após o trânsito em julgado.

Será que é preciso explicar à D. Cármem que a prisão, no Brasil, na prática, vem antes da segunda e até antes da 1ª instância, com 40% dos nossos presidiários esperando julgamento, sem culpa formada?

Ou que a prestação jurisdicional é lenta, arrastada, medíocre e preguiçosa para com o cidadão comum?

Os três poderes da República brasileira estão entregues a pessoas miúdas, genuflexas, insensíveis à vida real e absolutamente desprovidas da capacidade de pensar em um país.


É gente deste tamanho que faz Lula parecer um gigante.

.