quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Nº 19.674 - "Estadão, Dilma e o editorial sem moral. Por Jari da Rocha"

 

03/08/2016

 

Estadão, Dilma e o editorial sem moral. Por Jari da Rocha

mentir


O editorial de hoje, do Estadão, dedicado a enxovalhar a defesa de Dilma e, principalmente, ao PT não surpreende por sua conduta histórica de apoio a golpes nem, tampouco, ao desprezo que tem pelo próprio Brasil.

O que esperar de um jornal que empresta sua ‘missão’ jornalística para propagar rotineiramente mentiras, sonegar informações que são de interesse público e fingir, descaradamente, que se preocupa com o povo brasileiro?

Há também de se lembrar das manchetes fantasiosas, matérias falaciosas e o jogo de imagens para manipular a opinião pública.

Da mesma forma não surpreende o tom cínico do editorial ao tenta dar ao relatório estapafúrdio do senador Anastasia alguma seriedade. O mesmo relatório criticado pelos próprios juristas citados, porque suas teorias foram utilizadas de forma equivocada.

Enquanto Anastasia procurou embasar seu parecer em fatos, dizendo que a gestão de Dilma instaurou “um vale-tudo orçamentário e fiscal que trouxe sérias consequências negativas para o País.

O Estadão diz que o “quase finado governo da petista (Dilma) o mais irresponsável e corrupto da história nacional” porque, talvez, não encontre em suas próprias páginas os escândalos de corrupção da ditadura militar – cuja implantação o Estadão não só apoiou como também emprestou a sede do jornal para tramarem o golpe contra o governo João Goulart. Depois, teve de publicar receitas de bolo por perder sua própria liberdade.

Quando fala em governo ‘irresponsável’ e ‘corrupto’, o Estadão se esquece das denúncias abafadas no mandato de FHC.

Esquece a extinção, por decreto, da Comissão Especial de Investigação para combater, justamente, desvios de recursos públicos e também de Geraldo Brindeiro, o engavetador geral da república.

Ou do caso Sivam (tráfico de influência e corrupção no contrato de execução do Sistema de Vigilância e Proteção da Amazônia ) que, aliás, não houve CPI, pois FHC bloqueou.

E a Pasta Rosa que citava as doações ilegais de banqueiros para campanhas eleitorais de políticos da base de sustentação do governo FHC?

Ou, quem sabe, o Estadão também “não sabia de nada” sobre a compra de votos da reeleição de FHC? Nunca ouviram falar dos deputados Ronivon Santiago e João Maia do PFL do Acre, que ganharam R$ 200 mil para votar a favor?

O Estadão lutou bravamente para que fosse constituída uma CPI na época ou o caso foi abafado?
O Estadão e sua memória falha, sequer lembra das “consequências negativas” que a venda da Vale do Rio Doce trouxe ao país. Vendida num leilão por R$ 3,3 bilhões, quando, na verdade, valia mais de R$ 90 bilhões.

Quem poderia imaginar que haveria uma Mariana no meio do caminho?

Tinha também a privatização de cartas marcadas da Telebrás por R$ 22 bilhões. Excelente negócio para os interesses do Brasil. Claro que o governo FHC teve que investir antes um pouco de grana: R$ 21 bilhões. Sobraria ainda 1 bilhão, mas o BNDES financiou parte do dinheiro aos ‘compradores”.

Teve também o caso do Juiz Lalau da construção do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo por R$ 169 milhões. FHC, que liberava as verbas para a obra, disse que assinou sem ver.
Tem o caso Proer .

O caso da Sudam: fraudes de mais de R$ 2 bilhões e FHC ‘preferiu’ extinguir o órgão.

Da Sudene: desvios de R$ 1,4 bilhão e o que FHC fez? Extinguiu a Sudene em vez de colocar os culpados na cadeia.

E também o famoso e bilionário caso do Banestado, enfim… caberia mais uma série de irresponsabilidades e casos de corrupção aqui só nestas eras do “príncipe”.

O editorial fala de corrupção, mas não aparece o sobrenome Cunha,  nem Neves, Serra, Alckmin, Temer ou Calheiros. Fala de irresponsabilidade, mas não menciona o desmonte do SUS, da Educação e do estado brasileiro por este governo interino de meia pataca.

Jamais vai mencionar os valores dos juros que são pagos aos banqueiros que bancam o próprio jornal com o dinheiro que deveria atender ao povo brasileiro.

Insiste em falar em impeachment para não falar das manobras de um julgamento sem crime, para ocultar a traição de um vice conspirador que sai pra jogar no time adversário. Tenta, a todo custo, não falar em golpe enquanto os jornais do mundo todo o chamam pelo nome que lhe cabe.

O Estadão não tem moral.

Por isso, cada vez menos é um jornal.

.