sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Nº 20.015 "Dallagnol explica a corrupção no Brasil: Cristãos de verdade foram para os Estados Unidos"

 .

23/09/2016 

 

Dallagnol explica a corrupção no Brasil: Cristãos de verdade foram para os Estados Unidos


Do Viomundo - 23 de setembro de 2016 às 14h33
 

Captura de Tela 2016-09-23 às 14.32.54
“Em razão da minha cosmovisão cristã, eu acredito que nós temos uma janela de oportunidade, que Deus está abrindo para mudanças. Se a igreja luta por isso, Deus está respondendo” — Deltan Dallagnol

Da Redação

Em O Maluco Solitário e o Ministério Público, Maria Cristina Fernandes traça um interessante perfil do procurador Deltan Martinazzo Dallagnol nesta sexta-feira, 23, no Valor Econômico.

A jornalista faz um balanço das palestras que o integrante da Força Tarefa da Lava Jato tem feito pelo Brasil em defesa das 10 medidas anticorrupção propostas pelo MPF ao Congresso.

“O coordenador da Lava Jato tem uma interpretação culturalista da história. Acha que foi a colonização portuguesa quem legou a corrupção à terra natal. Quem veio de Portugal para o Brasil foram degredados, criminosos. Quem foi para os Estados Unidos foram pessoas religiosas, cristãs, que buscavam realizar seus sonhos, era um outro perfil de colono“.

A própria jornalista ironiza Dallagnol: “O espírito cristão dos colonizadores americanos não os impediu de dizimar a população nativa, colecionar genocídios em sua política externa e conviver com o pesadelo de uma Casa Branca ocupada por Donald Trump. Mas o ex-estudante de Harvard só trouxe admiração pelas instituições americanas. O mesmo fascínio alimenta em muitos de seus compatriotas a ilusão de que o Brasil seria uma grande Amsterdã se os holandeses não tivessem sido expulsos. Não cogitam o Brasil como uma versão ampliada da África do Sul”.

O óbvio analfabetismo político e histórico do procurador nos permite, no entanto, localizar o “pecado original” brasileiro que ele pretende extirpar: a falta de cristianismo.

Não foi o escravismo, a concentração de terras, a contínua pilhagem da colônia pelos interesses econômicos de Portugal que fez do Brasil o que é: não, foi a falta de “pessoas religiosas, cristãs”.

Isso apenas confirma que Dallagnol acredita liderar uma cruzada para livrar o Brasil do belzebu.

Curiosamente, como notamos anteriormente, nenhuma das dez medidas sugeridas pelo MPF ao Congresso trata diretamente da questão da sonegação de impostos, que representa perda de cerca de R$ 500 bilhões anuais aos cofres públicos. Por exemplo, eliminar o Carf, o Conselho Administrativo de Recursos Fiscais, a instância que permite aos grandes empresários extirpar o diabo dos impostos — ou pelo menos atrasar o pagamento de autuações da Receita
.
Por isso, se um dia for feito um powerpoint da Operação Zelotes, aquela que investigou corrupção no Carf, acreditamos que ele terá como figura central a ambulante Débora, recentemente detida pela Polícia Militar de São Paulo por vender bebidas sem licença na avenida Paulista, em São Paulo.

O “pecado original” mencionado pelo procurador Dallagnol nos remete ao livro A tolice da inteligência brasileira, de Jessé Souza, no qual o autor esculacha intelectuais respeitadíssimos à esquerda e à direita, de extração liberal, por terem naturalizado a ideia de uma hierarquia entre Europa/Estados Unidos e o Brasil, na qual obviamente ficamos por baixo.

Jessé nota a absoluta imbricação entre Estado e iniciativa privada no Brasil, completamente descartada pelos liberais, que acreditam que todos os pecados são do Estado e todas as virtudes da iniciativa privada.

Repetimos agora, no Brasil, a “santa aliança” dos anos 80 nos Estados Unidos, entre fundamentalistas cristãos e fundamentalistas do mercado. Nossa jabuticaba é fazer isso através de funcionários públicos de um Estado supostamente laico.

A fala do coordenador da Lava Jato é assustadora não apenas por revelar ignorância histórica, mas pela proposta de uma solução messiânica calcada num TED “cristão”.

Ah, e como ele é Martinazzo Dallagnol, não compartilha da “culpa coletiva” dos que herdaram o “sangue ruim” dos portugueses, como os Da Silva.


Leia também:
A carta aberta do ex-deputado Dr. Rosinha a Sérgio Moro: assassinos de reputações 



________________________________ 


PITACO DO ContrapontoPIG.

O "espírito cristão" americano  tornou os EEUU um dos países mais preconceituosos do mundo. 

Vejam o que foi feito pelos "cristãos de verdade" com os indígenas de lá: exterminados e a população remanescente, de velhos e crianças, empurrada para reservas localizadas em terras estéreis. 

Reparem como se fez e ainda ainda se faz com os negros, sem esquecer como são tratados de forma "verdadeiramente cristã" os "cucarachas" latino-americanos naquele país.

Contem quantos centenas milhares de pessoas  em outros países - Iraque, Líbia, Síria , entre outros - foram mortas em guerras pela busca e pela posse do petróleo pelos possuidores do "espírito cristão" americano.

Reparem onde foi "cristãmente" parar a maior parte das riquezas drenadas pelas "veias abertas da América Latina".

Uma rápida leitura de Darcy Ribeiro e de Eduardo Galeano teriam feito de Dallagnol um ser humano menos desprezível repugnante do que ele realmente é.

________________________________