quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Nº 20.048 - "Neo-fascistas atacam Chico Pinheiro"

 

28/09/2016

Neo-fascistas atacam Chico Pinheiro

Nem a ditadura pôs um meganha no Ministerio da Justiça - Cel. Ostra

 
Conversa Afiada - publicado 28/09/2016
 .
ChicoPinheiro.jpg
Na foto, um notório esquerdalhopata! (Reprodução: Globo)


No Mau Dia Brasil dessa quarta-feira 28/set, o apresentador Chico Pinheiro comentou a inacreditável decisão do TJ-SP por anular a condenação do 74 PMs envolvidos no massacre do Carandiru, em 1992.
"Eu estava em São Paulo nesse dia, estava trabalhando. Foi um choque. Não há provas? Como? São 111 provas!", comentou ele, em referência aos 111 mortos pela Polícia do governador Fleury. "Não há provas? Falta o quê, convicção?"

("Conviccão", como se sabe, é o que, à falta de provas cabais, levou o Dallagnol, o idiota, a considerar o Lula chefe de quadrilha e não incriminá-lo por "formaçao de quadrilha". Um jênio!)

"São 21 anos para julgar um massacre que envergonha o Brasil muito mais que um 7x1 da Alemanha!", disse Chico.

E por que a Justiça não foi feita? Pois "eram todos pretos, pobres e presos", concluiu Chico.
O que foi o suficiente para neo-fascistas carimbarem Chico Pinheiro como "petralha", "defensor de bandido", no Twitter:

Uma cidadã de bem: "Não liguei minha TV pela manhã pra ver Chico Pinheiro defender vagabundo na TV. 111 foi pouco no Carandiru, devia ter matado todos."

Um fã do Trump (!): "Só queria saber se o Chico Pinheiro aceitaria "de bom grado" se a filha dele namorasse um daqueles "inocentes" do Carandirú. Só isto."

Um dito "patriota" (a quem falta também um pouco de interpretação de texto): "Para Chico Pinheiro, um absurdo os bandidos revoltados terem morrido no Carandiru, quem deveria ter morrido eram os policiais malvados..."

Um dito "anti-comunista": "Chico Pinheiro?! Sujeito esquerdalhopata."

 ___________

NAVALHA




Em tempo: Laura Capriglione, nos Jornalistas Livres, deu a notícia: Lindbergh Farias identifica o fascista que o atacou na saída de um restaurante

.

.