quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Nº 19.854 - "Por reações antigolpe, Itamaraty chama de volta embaixadores em Bolívia, Venezuela e Equador"

 

01/09/2016 

 

Por reações antigolpe, Itamaraty chama de volta embaixadores em Bolívia, Venezuela e Equador




De acordo com chancelaria brasileira, decisão foi tomada por críticas de países ao afastamento definitivo de Dilma Rousseff
O Ministério das Relações Exteriores do Brasil, comandado por José Serra, vai convocar de volta seus embaixadores na Venezuela, Bolívia e Equador por conta das manifestações desses países contra o impeachment de Dilma Rousseff nesta quarta-feira (31/08).

A assessoria de imprensa do Itamaraty informou a Opera Mundi que seus representantes em Caracas e Quito já foram convocados, e que as mesmas providências estão sendo tomadas com relação ao representante brasileiro em La Paz.

Rovena Rosa/Agência Brasil

Ministro das Relações Exteriores do Brasil, José Serra


Sobre a Venezuela, especificamente, o Itamaraty divulgou uma nota na noite de quarta-feira em que afirma que “repudia os termos do Comunicado emitido pelo Governo venezuelano”, em que Caracas afirma que o “golpe de Estado parlamentar (...) perigosamente substituiu ilegitimamente a vontade popular de 54 milhões de brasileiros, violando a Constituição e alterando a democracia desse país irmão”.


'Uma injustiça histórica': o impeachment de Dilma Rousseff na imprensa alemã

'Golpe de Estado' estava anunciado 'há tempos', diz Mujica sobre impeachment de Dilma

Itamaraty diz lamentar 'manifestações de incompreensão' de Bolívia, Equador e Cuba


Em outra nota, a chancelaria brasileira diz lamentar as “manifestações de incompreensão” de Bolívia, do Equador e de Cuba sobre o afastamento definitivo de Dilma Rousseff. Para o Itamaraty, esses países “reincidem em expressões equivocadas que ignoram os fundamentos de um Estado democrático de direito”.

Após a votação do impeachment no Senado nesta quarta, Venezuela, Equador e Bolívia anunciaram que irão retirar seus embaixadores de Brasília.

De acordo com o Ministério das Relações Exteriores da Venezuela, “foi executada uma traição histórica contra o povo do Brasil e um atentado contra a integridade da mandatária mais honesta no exercício da presidência da República Federativa do Brasil”.

Em seu Twitter, o presidente do Equador, Rafael Correa, qualificou o impeachment de Dilma como “uma apologia ao abuso e à traição”.  Evo Morales, por sua vez, também usou a rede social para condenar o “golpe parlamentar contra a democracia brasileira”.



_______________________________
..
  PITACO DO ContrapontoPIG 


Governo usurpador dá os primeiros passos em direção a (des)integração da América Latina.

Está muito mal um país cujo "governo" entrega o Ministério das Relações Exteriores a um notório entreguista corrupto como Zé Serra.

_______________________________

.