segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Nº 19.919 - "Milhares ocupam símbolo da direita paulista pedindo Fora Temer; CUT fala em greve geral no dia 22; veja confusão com a PM"

.
12/09/2016

Milhares ocupam símbolo da direita paulista pedindo Fora Temer; CUT fala em greve geral no dia 22; veja confusão com a PM

 

Do Viomundo - 11 de setembro de 2016 às 23h50

 

 


Do Viomundo - 11 de setembro de 2016 às 23h50
 

Ocupado depois da marcha entre a avenida Paulista e o Ibirapuera, o Monumento às Bandeiras é símbolo tradicional da direita paulistana

Vídeo e fotos de Daniel Arroyo bancados pelos leitores do Viomundo em crowdfunding

CONTRA RETROCESSOS

‘Fora, Temer’ invade SP. CUT avisa que país vai parar dia 22

Segundo as frentes Brasil Popular e Povo sem Medo, pelo menos 50 mil pessoas participaram de mais um ato contra a ilegitimidade do governo Temer e suas propostas nocivas à classe trabalhadora

Texto da Rede Brasil Atual

São Paulo – O ato “Ocupe a Paulista, Fora, Temer e Diretas Já” reuniu hoje (11) aproximadamente 0 mil pessoas em São Paulo, segundo as frentes Brasil Popular e Povo sem Medo, organizadoras do evento. As pessoas se concentraram na Avenida Paulista, onde parlamentares e lideranças de movimentos sociais e sindical fizeram discursos em um caminhão de som, e depois seguiram em caminhada em direção ao Parque do Ibirapuera, a dois quilômetros de distância.

A dispersão começou por volta das 19h, quando o ato político deu lugar a um show com artistas alinhados com as reivindicações dos presentes. Se apresentou a cantora Tiê e também a banda Teatro Mágico. No percurso foram registrados algumas ocorrências de violência policial.

A manifestação faz parte de um calendário intenso de atividades em todo o país contra as propostas já reveladas pelo governo Michel Temer que atacam direitos dos trabalhadores. O próximo ato acontecerá no domingo que vem, 18, também na Avenida Paulista.

O presidente da CUT-SP, Douglas Izzo, cobrou a saída do presidente Michel Temer e de “todos os que defendem retrocessos e políticas que são para retirar direitos”. O dirigente cutista lembrou que a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 241, que congela por 20 anos os investimentos em áreas como saúde e educação, vai representar o desmonte do estado e das políticas públicas.

“Derrotar o golpe e os projetos golpistas são necessidades: reforma da Previdência, PEC 241, a trabalhista”, disse, reforçando a todos que no próximo dia 22 será realizado um grande ato nacional contra o governo Temer e suas propostas: “Vamos parar o Brasil”, avisou.

O coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, ironizou a fala do presidente Michel Temer, na China, quando minimizou a importância dos protestos contra seu governo: “Estamos novamente as 40 pessoas que insistem em gritar ‘Fora, Temer’. Ele unificou o país contra ele. Este governo é ilegítimo e queremos eleições Diretas já. Este é o momento de resistência. Se os golpistas se consolidarem, o preço será caro”, disse.

Do alto do caminhão de som, Boulos conclamou as pessoas: “Temos uma responsabilidade histórica. Aqui é o momento de falar ‘Fora, Temer’ e ‘Fora, Cunha'”, disse, sob a reação eufórica dos manifestantes. Ele lembrou do golpe militar armado por Augusto Pinochet que tirou o presidente chileno marxista Salvador Allende do poder em um mesmo 11 de setembro (1973).

Para o presidente do PT, Rui Falcão, este “governo usurpador” mostra seu caráter antipovo. “Querem entregar a Petrobras para grandes grupos internacionais”, disse, em referência ao Projeto de Lei do Senado 131/2015, de autoria do senador José Serra (PSDB-SP), que retira da Petrobras condição de operadora única do pré-sal.

“Primeiramente, fora, Temer, e amanhã, fora, Cunha”, disse o prefeito de São Paulo, candidato à reeleição, Fernando Haddad (PT), afirmando que o que está em jogo no país é que querem suprimir direitos e conquistas de 1988 (Constituição Federal).

Haddad lembrou que Temer, quando secretário de Segurança de São Paulo, atacou manifestantes. “E hoje estamos aqui novamente, e não sairemos das ruas”, avisou.

A deputada federal Luiza Erundina, candidata do Psol à prefeitura de São Paulo, afirmou que a sociedade brasileira não aceita mais estes “facínoras”. “O que vai mudar é o povo na rua. O povo deve se manter resistente e não sair das ruas enquanto não derrubarmos muitos canalhas e revertermos os retrocessos que estão minando direitos conquistados a duras penas nos últimos anos”, disse.

“Não vamos sair das ruas até derrubarmos o último golpista”, disse.

Erundina mencionou a votação de amanhã (12) sobre a cassação do mandato do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). “Amanhã cai o Cunha. Pode chorar. Amanhã, depois de muita angústia, cai o Cunha”, afirmou, emendando: “Nós, mulheres, não vamos aceitar um direito a menos. O Temer não sabe contar. Milhões querem a preservação das conquistas. Fora, Cunha, fora, Temer”, encerrou.

O candidato a vice-prefeito na chapa de Erundina e deputado federal, Ivan Valente (PSOL-SP) disse à RBA que o espera o crescimento das manifestações. “Com essa agenda que o Temer está prometendo, vamos ter um crescimento dos movimentos sociais e populares. As pautas anti-povo, como a reforma da previdência, a reforma trabalhista, o teto de gastos (PEC 241), ataques contra direitos sociais, a entrega do pré-sal e da Petrobras, devem estimular isso. Também temos que lembrar que este governo é corrupto. Denuncias ainda vão fragilizar o Temer. Com isso, espero que em pouco tempo, o povo consiga novas eleições para que venha um governo com legitimidade.”

O ex-senador Eduardo Suplicy (PT), candidato a vereador em São Paulo, defendeu a democracia: “Quero contar que estive na casa do Temer e, juntamente com estudantes, entregamos uma carta a ele dizendo para convocar eleições diretas no dia 2 de outubro. Se o povo disser não a ele, que assuma o compromisso de sair”.

Houve um tumulto com a PM logo após a fala do senador Lindbergh Farias (PT-RJ), que sofreu repressão no ato do último domingo (4). Ele avisou que estava no ato para coibir e denunciar internacionalmente a violência da Polícia Militar de São Paulo. “Sou autor de uma PEC para acabar com a PM. A PM é para a guerra e não para proteger o povo”, disse, provocando forte reação dos manifestantes, que gritavam “Não acabou, tem que acabar, eu quero o fim da Polícia Militar”.

Como o carro de som estava localizado em frente à base da PM no Parque Trianon, os policiais sentiram-se provocados com os gritos e foram para cima de manifestantes empunhando cassetetes, mas aquele episódio foi contornado.

A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) reagiu ao tumulto: “Não adianta provocar, não vamos sair da rua até derrubar os golpistas. São Paulo é um exemplo de luta. Precisamos dizer a eles que precisam passar por cima dos nossos cadáveres para entregar a nação aos interesses internacionais”.

A Polícia Militar do governo Geraldo Alckmin foi criticada também pelo deputado Paulo Teixeira (PT-SP): “Domingo passado éramos 100 mil. No Largo da Batata, a PM fez uma chuva de gás. Hoje vamos dobrar este número”, afirmou, denunciando que foi infiltrado um capitão do Exército no ato da semana passada para forjar provas contra estudantes. “Vamos continuar nas ruas e não vamos aceitar ditadura”, disse.

Outro episódio de violência aconteceu quando a manifestação começou a se dirigir para o Ibirapuera. Ao passar pelo prédio da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), os manifestantes pela democracia foram hostilizados por alguns homens pró-impeachment que ali acampam. Após momentos de tensão, a multidão derrubou a barraca. entretanto, a ação de presentes mais pacifistas encerrou o tumultuo.

Mais cedo, antes do início do ato, algumas mulheres cantaram músicas contra Temer na escadaria da Faculdade Cásper Líbero. Durante o coro, duas mulheres passaram em frente ao local e insultaram os presentes. Mesmo com a investida agressiva, as meninas do coral não reagiram, apenas continuaram sua canção, enquanto os que assistiam à apresentação riam da cena.

Com reportagem de Gabriel Vallery

_DSC6905
rua13
_DSC6960
rua1
rua2
rua3
rua4
rua5
rua6
rua7
rua8
rua9
rua10
rua30
rua14
rua16
rua17
rua18
rua19
rua20
rua21
rua22
rua23
rua24
rua50